TEMA 14 – Deus ainda fala

profetaDeus sempre utilizou instrumentos humanos para transmitir verdades eternas em uma linguagem que pudéssemos entender. A Bíblia é o grande guia da igreja de Deus. Deve ser para ela como uma bússola a indicar o caminho. Mas é interessante notar a forma como Deus usou os profetas para orientar Seu povo. Nos grandes momentos da História, Deus suscitou grandes homens e mulheres para serem portadores de mensagens especiais – antes do Dilúvio, Noé; antes do Êxodo, Moisés; antes do início do ministério terrestre de Jesus, João Batista. E em nossos dias, que precedem a segunda vinda de Cristo, suscitaria Deus um profeta? O dom de profecia continuaria até a volta de Jesus ou teve fim com os autores do Novo Testamento?

1. Devemos crer em qualquer um que se diz profeta? 1 João 4:1

A Bíblia nos adverte a provar os “espíritos” para ver se realmente procedem de Deus. Não é porque alguém diz falar em nome do Espírito Santo que devemos acreditar logo de cara. Na verdade, há dois comportamentos arriscados: aceitar qualquer pretenso profeta e rejeitar todos os que se dizem profetas. Devemos submetê-los à prova. Mas que prova? A Bíblia Sagrada é a prova. Se um profeta ou mensageiro afirmar algo que não está de acordo com a Bíblia, deve ser imediatamente rejeitado. Você percebe como é importante conhecer bem a Palavra de Deus a fim de não sermos enganados?  

2. Como distinguir o falso do verdadeiro profeta?

• O verdadeiro profeta crê na encarnação de Jesus (1 João 4:1-3). Se a pessoa que afirma ser profeta não reconhece que Jesus é Deus que Se fez homem, rejeite-a.
• Pelos seus frutos – vida e atitudes (Mateus 7:15-23). Profetas não são pessoas perfeitas. Mesmo os profetas bíblicos tiveram seus momentos de fraqueza. Mas no mínimo se espera que um mensageiro de Deus viva à luz dos ensinamentos bíblicos e que tenha uma vida de intimidade com o Senhor.
• Suas profecias se cumprem (Deuteronômio 18:21, 22; Jeremias 28:9). Se alguma previsão do tal profeta não se realizar, rejeite-o.
• Seus ensinamentos não desviam o povo da Bíblia (Deuteronômio 13:1-3). Se a mensagem do tal profeta não estiver de acordo com a Bíblia e levar as pessoas a crer em coisas que não estão na Palavra, rejeite-o.
• Obedece à lei de Deus e fala guiado pelo Espírito Santo (Isaías 8:19, 20; 2 Pedro 1:21). O mínimo que se espera de um profeta é que viva de acordo com a suprema revelação do Espírito Santo, ou seja, a Bíblia Sagrada. Por exemplo: a Bíblia ensina que os mortos estão inconscientes até a volta de Jesus, mas o “profeta” afirma ter tido uma visão em que conversou com pessoas mortas (no Céu ou no inferno). O que você acha disso? Finalmente, se esse “profeta” não guarda sequer os dez mandamentos, rejeite-o. 

3. Que fenômenos físicos ocorrem durante a verdadeira manifestação do dom de profecia?

• O profeta fica com os olhos abertos, alheio ao que se passa ao redor (Números 24:4; Apocalipse 1:11).
• Outras pessoas não veem o que ele vê (Daniel 10:7).
• O profeta vê, sente e fala (Daniel 10:16).
• O profeta não respira enquanto está em visão (Daniel 10:17).

Esses fenômenos físicos acompanham um verdadeiro profeta quando em visão, mas o fator mais importante, sem dúvida, é a mensagem em conformidade com a Bíblia. 

4. Que haverá nos últimos dias? Mateus 24:24

A declaração de Jesus dá a entender que haveria, também, o verdadeiro profeta. Do contrário, seria como advertir as pessoas para terem cuidado com as notas falsas de R$ 13,00. Jesus não nos avisaria da existência de falsos profetas, caso todos fossem falsos ou não fosse mais haver a manifestação do verdadeiro dom profético. Portanto, para identificar o falso devemos conhecer bem o verdadeiro.

5. Haverá também o verdadeiro dom profético nos últimos dias? Efésios 4:8, 11, 12; Joel 2:28-32

A Bíblia nos assegura que sim, haverá a manifestação do verdadeiro dom de profecia nos últimos dias. Na verdade, esse dom faz parte dos dons concedidos por Jesus à Sua igreja, e serve para edificá-la e guiá-la. 

6. Quais as duas características da igreja verdadeira? Apocalipse 12:17

Apocalipse é bem claro em afirmar que o povo de Deus tem duas características básicas: (1) guarda os dez mandamentos e (2) tem o testemunho de Jesus.

7. O que é o testemunho de Jesus? Apocalipse 19:10

O testemunho de Jesus, segundo o anjo que apareceu a João, é o espírito de profecia. Logo, a igreja de Deus na Bíblia tem que ter duas características básicas: (1) guarda os dez mandamentos e (2) tem o espírito de profecia. Se uma igreja afirma que tem profetas, mas não guarda todos os dez mandamentos, ela não se enquadra na descrição do Apocalipse. Mas se ela afirma guardar os mandamentos e não tem o dom de profecia, também não se enquadra na descrição básica do povo de Deus. 

8. A Igreja Adventista do Sétimo Dia procura guardar os dez mandamentos, mas o dom de profecia se manifestou no meio dela?

Quando estudamos a história da Igreja Adventista do Sétimo Dia e vemos como em meio de um impressionante emaranhado de riscos e de dificuldades as mensagens inspiradas que chegavam por meio de Ellen G. White deram estabilidade, crescimento e solidez ao remanescente fiel, chegamos à conclusão de que a profecia bíblica se cumpriu. Durante setenta anos, por meio de mais de duas mil visões e sonhos, Ellen White orientou o sólido sistema educacional e de saúde adventista. Embora não tivesse estudo formal, escreveu best-sellers reconhecidos mundialmente, sobre educação, medicina, religião e psicologia. O que você tem que fazer diante desta informação? Crer imediatamente? Desprezar imediatamente? Não. Deve fazer o que diz a Bíblia: colocar o profeta à prova. Compare os escritos de Ellen White com a Bíblia e tire suas próprias conclusões. (Tome algum tempo para assistir ao filme “Como Tudo Começou”, logo aí abaixo.)

9. Qual a promessa para os que levam em conta a mensagem dos profetas? 2 Crônicas 20:20; Apocalipse 22:7

10. Para que nos foram dadas as profecias? Provérbios 29:18

As profecias são como uma lanterna iluminando o caminho escuro à frente, tornando segura nossa caminhada e confirmando nossa fé à medida que vão se cumprindo.

11. Que apelo nos é feito em 1 Tessalonicenses 5:20, 21?

MINHA DECISÃO:

Creio que o dom de profecia foi dado por Deus para orientar Seu povo. Acredito que, assim como Deus usou a muitos no passado, usou Ellen G. White como Sua mensageira do tempo do fim. Decido dar atenção a seus escritos e, principalmente, às mensagens proféticas contidas na Bíblia.

Anúncios

TEMA 13 – O que é a morte?

lapideApesar dos muitos esforços para tentar prolongar a vida, o último inimigo com o qual o ser humano se depara é a morte. Ninguém consegue escapar dela. Talvez por isso exista tanta preocupação em torno do assunto. Há muitas teorias sobre o que ocorre com o ser humano após a morte. Para onde vão os que morrem? Eles sabem alguma coisa a nosso respeito? É possível manter contato com os mortos? Jesus – que morreu e ressuscitou – é o único autorizado a falar sobre o assunto. E Ele explicou direitinho isso na Bíblia. Deus não nos deixaria sem esclarecimento sobre algo tão sério. Pegue sua Bíblia mais uma vez, faça uma oração pedindo entendimento e esteja preparado para descobrir o que a Palavra de Deus tem a lhe ensinar sobre este inimigo que um dia não mais existirá: a morte.

1. Para entender o que ocorre na morte é preciso saber como o homem foi criado. Quais foram os dois elementos que Deus usou para criar o primeiro homem, no sexto dia da Criação? Gênesis 2:7

………………………………….. e ………………………………….

É importante notar que o texto diz que somos uma alma vivente. Não diz que temos uma alma. A palavra “alma”, no original hebraico, é nephesh, que significa basicamente “ser vivente”. Portanto: pó da terra + fôlego de vida = alma vivente (ser vivo). Isso pode ser ilustrado com uma lâmpada. O vidro pode ser comparado ao corpo. A energia elétrica, ao fôlego de vida. A união dos dois dá origem à luz. A luz pode ser aqui comparada à alma ou pessoa. Sem o vidro ou sem a energia não há luz, assim como sem o corpo ou sem o fôlego não há ser vivente ou alma. A ideia de que teríamos dentro de nós uma entidade imaterial e imortal não é bíblica.

2. O que ocorreu com a alma vivente (o ser humano) quando pecou? Romanos 5:12

Deus não criou a morte. Ela foi um intruso na criação perfeita de Deus. A morte passou a existir a partir do pecado de Adão e Eva. Pecado é ruptura de relação com Deus, e como Deus é a fonte de vida, quando o ser humano pecou deixou de ser imortal.  

3. O que voltamos a ser depois de mortos? Gênesis 3:19

Pó da terra – fôlego de vida = alma deixa de existir (pó volta ao pó; fôlego volta a Deus).

4. Então a alma pode morrer? Ezequiel 18:4 

Como já vimos, no momento em que o ser humano morre, o fôlego (espírito) volta a Deus e o pó volta à terra. A alma vivente deixa de existir, morre. 

5. Somente quem é imortal? 1 Timóteo 6:15, 16

Mais claro que isto é impossível: o ser humano (alma) passou a ser mortal quando pecou. Somente Deus, o Criador, é imortal por Si mesmo. Todos os demais seres criados têm vida derivada dEle. 

6. Os mortos sabem alguma coisa do que se passa com os vivos ou podem se comunicar? Eclesiastes 9:5, 6; Salmo 146:4

Esses textos estão em conformidade com o que já estudamos. Quando o corpo volta ao pó e o fôlego volta para Deus, a pessoa deixa de existir. Logo, não pode fazer mais nada. Mas o que dizer das chamadas “aparições”? Como explicar certos fenômenos aparentemente sobrenaturais e as tais experiência de quase-morte (EQM)? Paulo diz em 2 Coríntios 11:14 que Satanás se transforma em anjo de luz para enganar as pessoas. E Apocalipse 16:14 menciona espíritos de demônios operadores de milagres. Como veremos nos textos bíblicos da pergunta 8, faz parte dos planos de Satanás e de seus anjos caídos enganar as pessoas e fazer com que elas pensem que são imortais independentemente de Deus. Que fique claro: não são os mortos que aparecem para os vivos; são anjos maus imitando pessoas falecidas.

7. Ao que Jesus comparou a morte? João 11:11-14

Esse é um texto muito esclarecedor. Lázaro, o amigo de Jesus, havia morrido e o Mestre disse que ele estava dormindo. Para Jesus, a morte é como um sono, já que a pessoa deixa de existir e, portanto, fica inconsciente de tudo o que acontece no mundo dos vivos. Depois que Lázaro saiu do túmulo, ele não disse nada sobre ter ido ao Céu ou sobre “corredores de luz”. Além disso, caso Lázaro estivesse no Céu, seria uma injustiça da parte de Jesus trazê-lo de volta a esta vida, sujeito a tristezas, doenças e, novamente, à morte. As pessoas que amam Jesus e fazem a vontade dEle não vão para o Céu imediatamente após a morte. Então quando isso acontecerá?

8. Quando os mortos ressuscitarão? 1 Tessalonicenses 4:16; 1 Coríntios 15:51

Não há espaço para dúvida. Os mortos em Cristo ressuscitarão na volta de Jesus, não antes nem depois. Como vimos no Tema 6, haverá um intervalo de mil anos entre a ressurreição dos salvos e a dos ímpios, que rejeitaram o plano de salvação (leia também João 5:28, 29). 

9. Onde e como começou a mentira de que o ser humano não morre? Gênesis 2:16, 17 e 3:4

Deus certamente advertiu Adão e Eva quanto ao perigo de dar ouvidos ao enganador, e disse que o pecado traria a morte. Usando uma serpente como médium, Lúcifer, com toda a sua astúcia diabólica, levou a mulher a duvidar da palavra de Deus e inaugurou a grande mentira: vocês não morrerão coisa nenhuma. Ao longo dos milênios e por vários meios (filmes, séries, livros, religiões, etc.), o inimigo tem disseminado esse engano ao redor do mundo. 

10. Em quem somente podemos ter a vida eterna? 1 João 5:12; João 3:16

Quando Lúcifer levou Adão e Eva a pecar pensou ter dado um xeque-mate em Deus. Se o Criador ignorasse a rebelião do casal, Satanás O acusaria de injusto, afinal, Ele não ignorou a rebelião dos anjos traidores. Se Deus destruísse o homem e a mulher, Satanás O acusaria de tirano. O que o anjo mau não esperava é que Deus manteria Sua palavra de que o salário do pecado é a morte e não ignoraria o pecado de Seus filhos humanos, ao mesmo tempo em que lhes concederia o perdão. Como Ele fez isso? Morrendo em lugar do casal. Jesus veio ao mundo para saldar a dívida contraída por Adão e Eva, garantindo a vida eterna a todo ser humano que aceita esta troca: da indignidade humana pela justiça divina. A morte momentânea pela qual passamos aqui na Terra é uma das tristes consequências do pecado, mas ela logo terá fim. Dessa morte não podemos fugir, mas da segunda morte (eterna), sim, podemos nos livrar.

11. Qual deve ser a nossa atitude diante da morte? 1 Tessalonicenses 4:13, 14

Toda despedida é dolorida e é normal nos entristecermos nessas ocasiões, mas, no que diz respeito à morte dos salvos, temos a esperança do reencontro. E quem prometeu foi Jesus, aquele que nunca mente. 

12. O que Deus prometeu dar àqueles que são amigos Seus? Romanos 2:7

13. Como serão as condições da vida eterna? Apocalipse 21:4

Entre as coisas tristes que não mais haverá na Nova Terra está a morte. Ela será eliminada para sempre e nós viveremos eternamente em um mundo de paz e alegria, na companhia de Deus, dos anjos e dos nossos queridos salvos. Detalhe: se não mais haverá dor, nem clamor, nem lágrimas, também não haverá um lugar de tormentos onde os ímpios supostamente ficariam queimando para sempre. Clique aqui para saber mais sobre o mito do inferno eterno.

MINHA DECISÃO:

Creio no que ensina a Bíblia: que sou mortal e que só terei a imortalidade pela fé em Jesus. Espero viver eternamente, pois creio em Jesus e O tenho como meu salvador e amigo. 

TEMA 12 – Dicas do Fabricante

saudeQuando compramos um eletrodoméstico ou algum equipamento eletrônico é importante dar uma olhada no manual do fabricante a fim de conhecer as especificações técnicas e as dicas de quem criou o produto. Seguindo esses conselhos poderemos usufruir do equipamento por mais tempo. Assim também é com o corpo humano: se utilizarmos esse presente de Deus da maneira como Ele recomenda teremos mais saúde e longevidade. A Bíblia Sagrada é o manual do Fabricante e nos traz importantes recomendações quanto ao estilo de vida ideal. Siga esses conselhos e seja feliz!

1. Quando o ser humano foi criado, que alimentos foram indicados no regime alimentar original dado por Deus? Gênesis 1:29

Como não havia morte antes do pecado, é inconcebível pensar que algum animal ou mesmo o ser humano se alimentasse de animais. A dieta prescrita pelo Criador era inteiramente vegetariana.   

2. Quando foi permitido ao ser humano comer carne? Gênesis 9:1, 3, 4

Após o dilúvio e antes de as plantas crescerem, em uma situação de emergência, Deus permitiu que Noé e sua família comessem carne de animais “limpos”, que entraram em maior quantidade na arca, em uma clara distinção entre os que poderiam ser comidos e os que não. Mas permissão não significa recomendação. 

3. Quais as duas característica dos animais limpos indicados por Deus? Levítico 11:3; Deuteronômio 14:2-8

Os animais limpos, ou seja, permitidos na dieta humana, devem ter unha fendida, como é o caso das patas do boi, por exemplo. Além disso, devem ser ruminantes. O cavalo é ruminante, mas não tem unha fendida; tem casco. O porco tem unha fendida, mas não rumina. As duas características têm que estar presentes. Clique aqui para ler alguns artigos sobre as doenças causadas pelo consumo de carne de porco.

4. Quais as duas características dos peixes limpos? Deuteronômio 14:9

A Bíblia não faz diferenciação entre peixes e crustáceos, por exemplo. Portanto, camarão, lagosta e siri são também considerados imundos ou inapropriados para alimentação humana, tanto quanto o tubarão e outros peixes de couro. O camarão e demais crustáceos são considerados “urubus do mar”, e o consumo desse tipo de criatura é fonte de muitas alergias. Clique aqui e saiba mais.

5. A Bíblia aprova o consumo de bebidas alcoólicas? Provérbios 20:1; Isaías 5:11; Efésios 5:18

Está cientificamente provado que o álcool, mesmo ingerido em pequenas quantidades, interfere na atividade cerebral. O cérebro é nossa “antena” de comunicação com Deus e não deve ser prejudicado por qualquer substância nociva. Clique aqui e saiba mais.

6. Qual o fim dos que comem e bebem aquilo que Deus proibiu? Isaías 66:17

O consumo de alimentos e bebidas proibidos por Deus leva a pessoa à destruição. Segurança mesmo só existe quando obedecemos a Deus e seguimos Suas orientações – em qualquer área da vida, inclusive na dietética.

7. Qual o principal motivo por que devemos cuidar da saúde? 1 Coríntios 3:16, 17; 6:19

Devemos descartar todos os alimentos, bebidas e hábitos que prejudiquem nosso corpo. Os estimulantes como café e chá preto, por exemplo, também devem ser evitados por aqueles que buscam melhor saúde física e mental.

8. Por que devemos glorificar a Deus em nosso corpo? 1 Coríntios 6:20

Quando pega algo emprestado você com certeza cuida mais desse objeto do que se fosse seu, não é mesmo? Nosso corpo não nos pertence. Ele é templo do Espírito Santo. Por isso, na condição de templo, tanto quanto pudermos, devemos mantê-lo puro, santo e limpo.

9. Qual o desejo de Deus quanto à nossa saúde? 3 João 2

Tão importante quanto a saúde espiritual é a saúde física e mental. Essas três áreas estão intimamente ligadas e afetam uma à outra. Mais ou menos como um banquinho de três pernas. Se faltar uma, o banco cai. 

10. Resumindo: O que devemos fazer para ter saúde física? Êxodo 15:26

11. O que devemos ter em mente em tudo o que fazemos? 1 Coríntios 10:31

Tudo o que fazemos deve honrar nosso Criador. Se algum tipo de alimento ou bebida polui nosso organismo, isso com certeza não honra o nome do nosso Deus. Mas esse princípio se estende a outras áreas da vida e tem que ver também com os “alimentos” que colocamos dentro da mente. Há duas formas de poluir o cérebro: com comida não saudável e com conteúdos igualmente não saudáveis. Assim, antes de ler um livro, navegar por um site na internet ou assistir a um filme ou série, pergunte-se sempre se aquele conteúdo está de acordo com a vontade de Deus expressa na Bíblia. 

12. Que tipo conteúdo deve entrar em nossa mente? Filipenses 4:8

Esse texto de Paulo é uma espécie de “antivírus mental”. Ele deve servir de parâmetro para selecionarmos o que vale a pena assistir, ouvir, ler e o que não vale a pena. Se o conteúdo que você está consumindo está de acordo com Filipenses 4:8, pode seguir em frente. Não tem perigo. 

MINHA DECISÃO:

Compreendi que a intemperança (desequilíbrio) causa doenças. Decido seguir as recomendações bíblicas de saúde para ser sadio, feliz, útil e favorecer minha comunhão com Deus. Decido submeter à vontade dEle os alimentos que coloco para dentro do meu estômago e do meu cérebro. 

Nota: Algumas pessoas, ao lerem Atos 10, penam que Deus teria autorizado o consumo de alimentos impuros. Clique aqui e ouça uma explicação sobre esse assunto.

REMÉDIOS NATURAIS DE DEUS:

Temperança (equilíbrio em tudo); regime alimentar apropriado (o mais natural possível); uso abundante de água (6 a 8 copos por dia, entre as refeições); ar puro; luz solar em horários apropriados; exercício físico e repouso; confiança em Deus. Agora tome algum tempo para assistir aos vídeos a seguir:

TEMA 11 – O falso e o abolido

BrokenLawComo vimos no tema anterior, existe na Bíblia um único dia de guarda santificado por Deus, o Criador. O sábado foi dado a Adão e Eva antes de haver qualquer povo ou etnia sobre a Terra. O sétimo dia foi guardado pelos patriarcas, pelos profetas, por Jesus, pelos seguidores do Mestre e será guardado por toda a eternidade. (Se você ainda tem dúvida quanto a isso, reveja o Tema 10.) No entanto, é um fato que a maioria dos cristãos considera o domingo como o dia de guarda. Também é fato que a palavra “Domingo” não se encontra na Bíblia. No entanto, há oito referências ao primeiro dia da semana no Novo Testamento. Vamos analisar cada uma delas e depois descobrir quando começou essa tradição de observar o primeiro dia da semana como sagrado, em lugar do sétimo dia.

1. Leia Mateus 28:1; Marcos 16:1, 2; Lucas 24:1; João 20:1; Marcos 16:9; João 20:19; Atos 20:7; 1 Coríntios 16:2. Algum desses textos sugere a mudança do sábado para o domingo ou deixa claro que o domingo seria um dia sagrado? 

Basta ler esses textos para perceber que em nenhum deles há qualquer indicação de ser o domingo um dia diferente dos demais ou santificado. O cardeal Gibbons, arcebispo de Baltimore e primaz da Igreja Católica nos Estados Unidos, disse: “Podereis ler a Bíblia de Gênesis ao Apocalipse, e não encontrareis uma única linha que autorize a santificação do domingo. As Escrituras ordenam a observância religiosa do sábado, dia que nós nunca santificamos” (Faith of Our Fathers, p. 89). 

2. Então quando começou o costume não bíblico de se guardar o domingo em lugar do sábado? Daniel 7:25

O capítulo 7 de Daniel descreve a sucessão de reinos desde o tempo do profeta até a volta de Jesus. Começa com Babilônia, passa pela Medo-Pérsia e Grécia e termina com Roma. A partir do verso 23, a profecia mostra que um poder político-religioso herdeiro do poder romano mudaria os tempos e a lei (verso 25). Quem, na História, cometeu tamanha atitude de desobediência a Deus? O primeiro dia da semana era dedicado ao culto do Sol, pelos antigos babilônios. Em 274 d.C., o imperador Aureliano adotou o culto do Sol como a religião oficial do Império Romano. Ao culto do Sol foi dedicado o primeiro dia da semana (em inglês, domingo ainda significa “Dia do Sol” – Sunday; e em alemão também – Sonntag). Com o tempo, esse dia santo dos pagãos foi sendo adotado pela cristandade, até que no dia 7 de março de 321, o imperador Constantino assinou um decreto que oficializou o domingo como dia de guarda, o que foi aprovado pela Igreja Católica no ano 364. Porém, sempre houve fiéis que não aceitaram as tradições humanas, permanecendo leais à Bíblia e sendo perseguidos por isso. (Clique aqui e leia um artigo esclarecedor sobre esse assunto.)

3. Os capítulos 7 e 13 de Apocalipse descrevem um momento futuro em que o selo de Deus e a marca da besta serão aplicados sobre dois grupos de pessoas. Que selos são esses? Apocalipse 7:2, 3; Apocalipse 13:16, 17

Seria muito importante fazer um estudo mais aprofundado do livro do Apocalipse. Mas por agora basta dizer que esse é um livro de contrastes: dragão (Satanás) x cordeiro (Jesus); igreja verdadeira (mulher vestida de sol) x igreja corrompida (prostituta); povo de Deus x adoradores da besta; etc. Assim também ocorre com os selos ou as marcas. Ezequiel 20:20 diz que o sábado é um sinal entre Deus e Seu povo, e Isaías 8:16 afirma que a lei de Deus deve ser selada no coração de Seus seguidores. Nos tempos bíblicos, selo era uma espécie de carimbo que continha as seguintes informações a respeito da autoridade que estava selando o documento: (1) nome da autoridade; (2) cargo/função da autoridade; e (3) jurisdição ou área de abrangência dessa autoridade. Quando lemos os dez mandamentos, qual deles contém essas informações? Leia Êxodo 20:8-11 e você encontrará ali as três características: (1) Deus (nome); (2) Criador (Ele fez); (3) céus e Terra (jurisdição). O sábado é o selo escatológico de Deus na Bíblia. Portanto, em Apocalipse 7:2 e 3, o selo que será aplicado na testa (mente) do povo de Deus é o santo sábado. Por contraste óbvio, o selo da besta tem que ser algo parecido com o selo de Deus, mas oposto a ele (assim como o anticristo quer parecer Deus, mas se opõe a Ele). Portanto, a marca da besta tem que ser um dia semana, pois a marca/selo de Deus é um dia. Que dia da semana tentaram colocar como substituto do sábado? Sim, a resposta é óbvia…

4. Vamos analisar outro ponto agora. Na lição passada, vimos que Jesus veio para cumprir a lei de Deus, a fim de nos dar exemplo (Mateus 5:17-19). O apóstolo Paulo afirma que os mandamentos de Deus são puros, santos e bons (Romanos 7:12). Por que, então, há passagens que parecem depreciar a lei? Um estudo cuidadoso revelará que a Bíblia faz menção a mais de uma lei, deixando clara a superioridade da lei de Deus, os Dez Mandamentos. Que título de distinção é dado à lei de Deus? Tiago 2:8, 9

5. Por que meio vem o conhecimento do pecado e por meio de que seremos julgados? Romanos 7:7; Tiago 2:12

A lei que diz “Não cobiçarás” é a dos Dez Mandamentos. E a “lei da liberdade” é, também, a dos Dez Mandamentos, pois nos versículos anteriores a Tiago 2:12 são mencionados os mandamentos “Não matarás” e “Não adulterarás”. No entanto, a Bíblia menciona outra lei que foi dada após o pecado e tinha prazo de validade. É importante compreender isso e perceber as diferenças entre a lei de Deus (eterna) e a lei cerimonial (com prazo de validade). 

6. Em que Deus escreveu os Dez Mandamentos? E em que foram escritas as leis cerimoniais (que continham orientações sobre sacrifícios e holocaustos)? Deuteronômio 4:13; 2 Crônicas 35:12

Percebeu a diferença? Os Dez Mandamentos (lei moral) foram escritos pelo dedo de Deus em tábuas de pedra. A lei cerimonial foi escrita por Moisés em livros (pergaminhos de couro de cabra). 

7. Onde foram colocadas as tábuas dos Dez Mandamentos? E onde Moisés ordenou que pusessem a lei cerimonial que ele havia escrito? Êxodo 40:20; Deuteronômio 31:25, 26

As tábuas de pedra da lei moral foram colocadas dentro da arca da aliança. A lei cerimonial escrita em pergaminhos foi colocada ao lado da arca. Bem claro, não? 

8. A lei cerimonial era completa em si mesma? Efésios 2:15

9. Poderiam as ofertas ordenadas pela lei cerimonial satisfazer ou tornar perfeita a consciência do crente? Hebreus 9:9

10. Até que tempo deveriam ser realizados os serviços cerimoniais no santuário terrestre? Hebreus 9:10

11. Quando foi esse “tempo de reforma” ou “nova ordem”? Hebreus 9:11-14

12. O que a morte de Cristo fez com a lei cerimonial? Colossenses 2:14; Efésios 2:15

16. Por que a lei cerimonial foi ab-rogada (anulada) e o que marcou esse acontecimento? Hebreus 7:18, 19; Mateus 27:50, 51

Quando Jesus morreu na cruz, a cortina do santuário terrestre se rasgou de alto a baixo (não de baixo para cima, como se um homem a tivesse rasgado), indicando assim que as cerimônias realizadas naquele local não tinham mais sentido. E não tinham mais sentido porque o verdadeiro cordeiro de Deus havia acabado de morrer pelos pecadores (João 1:29). As ordenanças, as leis cerimoniais e os sacrifícios do santuário terrestre eram um símbolo da obra de Cristo. Tiveram validade até a morte do Cordeiro; depois foram abolidos por Ele, pois encontraram nEle seu cumprimento. A lei cerimonial foi dada ao povo judeu após o pecado de Adão e Eva e tiveram cumprimento na cruz. A lei moral e o sábado foram dados a Adão e Eva antes do pecado e serão eternos. Você percebeu as diferenças? Portanto, Paulo não está se contradizendo quando diz que uma lei é santa, justa e boa (Romanos 7:12) e a outra foi cancelada na cruz (Colossenses 2:14). São duas leis e dois propósitos. 

MINHA DECISÃO:

Reafirmo minha posição de que os Dez Mandamentos estão em vigor e são uma bênção na vida daqueles que os colocam em prática. Compreendi que a lei cerimonial foi abolida em Jesus e que o domingo não constitui um dia de guarda bíblico. Por isso, decido com a ajuda de Deus obedecer à lei moral e guardar o santo sábado.

CONTRASTE ENTRE AS DUAS LEIS (moral e cerimonial):

Lei moral

É chamada “lei régia” (do Rei) – Tiago 2:8
Foi proferida por Deus – Deuteronômio 4:12, 13
Foi escrita por Deus em tábuas de pedra – Êxodo 31:18
Foi escrita “pelo Dedo de Deus” – Êxodo 31:18
Foi posta dentro da arca – Êxodo 40:20; 1 Reis 8:9; Hebreus 9:4
É perfeita – Salmo 19:7
Deverá “permanecer firme para todo o sempre” – Salmo 111:7, 8
Não foi abolida por Cristo – Mateus 5:17
Devia ser engrandecida por Cristo – Isaías 42:21
Comunica conhecimento do pecado – Romanos 3:20; 7:7

Lei Cerimonial

É chamada “a lei dos mandamentos na forma de ordenanças” – Efésios 2:15
Foi ditada por Moisés – Levítico 1:1-3
Era em “forma de ordenanças” – Colossenses 2:14
Foi escrita por Moisés num livro – 2 Crônicas 35:12
Foi posta ao lado da arca – Deuteronômio 31:24-26
“Nunca aperfeiçoou coisa alguma” – Hebreus 7:19
Foi cravada na cruz – Colossenses 2:14
Foi abolida por Cristo – Efésios 2:15
Foi anulada por Cristo – Colossenses 2:14
Foi instituída em consequência do pecado – Levítico 3-7

TEMA 10 – Um templo no tempo

d0004920As recomendações de Deus sempre visam ao nosso bem-estar. Ao colocar em Sua Lei um mandamento específico sobre a santificação de um dia da semana, Ele, na verdade, estava nos prevenindo a respeito da correria em busca de posses e do desgaste físico e mental que dela advém. Hoje poderíamos dizer que, ao obedecer ao quarto mandamento, estamos, na verdade, melhorando nossa qualidade de vida e evitando o estresse, além de beneficiar nosso relacionamento com Deus e com o próximo, especialmente em família. No entanto, acima e antes disso tudo, o sétimo dia da semana, o sábado, é o memorial da criação de Deus. Ao observá-lo/guardá-lo, somos lembrados semanalmente de que existe um Deus todo-poderoso que criou este planeta para nós. Um verdadeiro lembrete sagrado. Um templo no tempo que aponta para o Criador do tempo e de tudo o que existe. O sábado é, portanto, um presente de Deus para a humanidade. Vamos conhecer mais sobre esse assunto tão importante e, ao mesmo tempo, tão negligenciado? Faça uma oração e abra a sua Bíblia.

1. Que três coisas fez Deus quando acabou de criar o mundo? Gênesis 2:1-3

Depois de dedicar seis dias à criação da vida na Terra e ao preparo do ambiente em que Suas criaturas iriam viver, Deus reservou 24 horas para uma pausa especial. Ele abençoou e santificou o sétimo dia. Santificar, na Bíblia, significa separar para uma finalidade sagrada. Você acha que alguém poderia retirar a bênção de algo que o próprio Deus abençoou? Evidentemente que não. 

2. Será que Deus descansou porque estava cansado? Isaías 40:28

Uma comparação: Jesus não precisava ser batizado porque não tinha pecados, mas fez isso para nos dar exemplo. Da mesma forma, Deus nos deu exemplo “descansando” no sétimo dia. Na verdade, quando foram criados, Adão e Eva não ficavam cansados; além disso, foram criados na sexta-feira e, em seguida, já guardaram o primeiro sábado. Assim, realmente não estavam cansados. Portanto, mais do que uma pausa para descanso físico e mental, o sábado constitui um dia para comunhão especial com Deus. Durante a semana, devemos andar de mãos dadas com Jesus. No sábado, nos assentamos aos pés dEle.

3. Por que Deus separou o sábado como dia especial? Marcos 2:27

Por amor ao ser humano, pois queria que esse dia servisse para aprofundar a amizade com Sua criatura. Note que o texto diz que o sábado foi feito por causa do “homem”, palavra traduzida a partir do original grego antropos, que significa “ser humano”. Portanto, o sábado foi dado de presente para a humanidade, não para um povo apenas.    

4. Além de abençoar o sábado, Deus o santificou. Como deveria o ser humano agir diante de algo santo? Êxodo 3:5

Exatamente como Moisés se comportou diante do arbusto em fogo, ou seja, na presença de Deus: com respeito e reverência. Quando Deus declarou que o solo em que Moisés estava pisando era santo, o hebreu tirou as sandálias e se prostrou. Deus também declarou santo o sétimo dia, e deveríamos respeitá-lo como tal.

5. Que dia da semana é o sábado? Êxodo 20:8-11; Levítico 23:3; Mateus 28:1

A Bíblia deixa bem claro que o sábado é o sétimo dia da semana, não o domingo (primeiro dia de trabalho), nem a segunda-feira, a quarta-feira ou a sexta-feira. Alguns ainda alegam que mudanças no calendário poderiam ter alterado a contagem dos dias da semana. Mas isso não procede. Clique aqui e confira.

6. Além de ser o quarto mandamento, o que mais é o sábado? Ezequiel 20:12, 20

Todos os mandamentos são importantes e devem ser guardados. Nenhum é maior do que o outro. Mas Deus fez do sábado um sinal ou selo justamente porque é o mandamento que aponta para Ele como Criador. Se você matar, poderá ser preso. Se roubar, idem. Mas qual a razão “lógica” para guardar o sábado? Quem guarda o sábado faz isso unicamente porque Deus ordenou. Assim, é preciso ter fé na Palavra de Deus para ser um guardador do sábado.

7. Será que o sábado foi estabelecido apenas para o povo judeu? Isaías 56:6, 7; Eclesiastes 12:13

Já vimos em Marcos 2:27 que não. Mas tem mais: segundo o livro de Gênesis (ver pergunta nº 1), o sábado foi estabelecido na criação do mundo, quando só havia Adão e Eva. Não havia judeus nem outro povo qualquer. E os textos de Isaías 56:6, 7 e Eclesiastes 12:13 apenas confirmam isso. O sábado poderia ser guardado inclusive pelos estrangeiros (não judeus).

8. Que dia Jesus guardava? Lucas 4:16

Como criador do sábado, é óbvio que Jesus não poderia santificar outro dia que não fosse o sétimo. No sábado, a carpintaria da família de Jesus sempre estava fechada, e Ele sempre estava na sinagoga, afinal, como diz Lucas, esse era o costume dEle.

9. Que dia o apóstolo Paulo guardava? Atos 16:13; 17:2

Perceba que Paulo continuou guardando o sábado mesmo após a morte e ressurreição de Jesus. Há pessoas que afirmam que Jesus teria mudado o dia de guarda após a ressurreição. Se fosse verdade, Paulo saberia disso e obedeceria. Atos 16:13 apresenta Paulo e seus amigos guardando o sábado à beira de um rio, pois na cidade onde estavam não havia sinagoga.

10. Que dia Maria, mãe de Jesus, e as mulheres seguidoras de Cristo guardavam? Lucas 23:56

Mais uma vez vemos seguidores de Jesus guardando o sábado após a morte dEle. Aliás, o próprio Jesus falou do futuro e disse que Seus seguidores ainda estariam guardando o sábado quase 40 anos depois. Confira em Mateus 24:20 (profecia sobre a destruição de Jerusalém no ano 70 d.C.).

11. Quando começa o sábado, segundo a Bíblia? Neemias 13:19; Gênesis 1:19; Marcos 1:32; Levítico 23:32

Biblicamente, a contagem do tempo, desde a criação do mundo, é feita de pôr do sol a pôr do sol. Note que o dia começa na tarde (parte escura) e prossegue pela manhã (parte clara). O relato de Neemias ajuda a reforçar isso ao dizer que as portas de Jerusalém eram fechadas ao cair da tarde, para impedir que fosse feito comércio na cidade. Assim, a forma correta de guardar o sábado é a partir do pôr do sol de sexta-feira até o pôr do sol de sábado, quando biblicamente começa o primeiro dia da semana.

12. Como Deus deseja que guardemos o sábado? Isaías 58:13, 14; Mateus 12:12

Sábado é um dia especial em que podemos e devemos fazer o bem às pessoas. Está plenamente de acordo com o espírito do sábado visitar pessoas doentes, encarceradas, passear com os filhos em meio à natureza, etc. Mas precisamos atentar para os conselhos de Isaías 58:13, 14: nesse dia santo, até nossa conversa deve ser diferente. Assim como não trabalhamos em coisas seculares e remuneradas nesse dia, também não devemos conversar sobre assuntos como trabalho, esportes, negócios, etc.

13. Adianta guardar nove mandamentos? Tiago 2:10; 1 João 2:4

Você consideraria fiel um homem que se dedicasse inteiramente à esposa por seis dias, mas no sétimo cometesse adultério? De maneira semelhante, ou somos inteiramente fieis a Deus ou não somos.

14. Que dia será santificado na Nova Terra? Isaías 66:22, 23

O sábado foi guardado por Deus e Adão e Eva no Éden. Foi guardado pelos patriarcas e profetas. Foi guardado por Jesus e Seus seguidores. Será guardado na Nova Terra por toda a eternidade. Faz sentido pensar que ele não seria guardado por alguns anos após a ressurreição de Jesus? No próximo tema vamos entender quando houve a mudança do sábado para o domingo e descobriremos quem fez isso, contrariando, evidentemente, a vontade de Deus.

MINHA DECISÃO:

Decido guardar o sábado como um sinal do reconhecimento de que Deus é meu Criador e Salvador. Decido reservar as horas do sábado somente para a adoração e para obras em favor de meu próximo. (Tome um tempo para assistir aos dois vídeos abaixo.)

COMO TORNAR O SÁBADO PRAZEROSO:

• Programe-se para receber o sábado desde o início da semana.
• Espere o sábado como o dia especial de comunhão com Jesus.
• Ao pôr do sol de sexta-feira, reúna sua família, cantem, orem e recebam o sábado juntos.
• No sábado pela manhã, vá à igreja como fazia Jesus.
• Prepare (se possível na sexta-feira) uma refeição diferente e deliciosa para o almoço de sábado.
• À tarde, se tiver filhos pequenos, programe um passeio por um parque ou outro local em que possam conversar sobre o poder e o amor de Deus manifestados na natureza.
• Ao pôr do sol de sábado reúna novamente a família para orar e se despedir do sábado, pedindo as bênçãos de Deus para a semana que se inicia.

TEMA 9 – A eterna lei do Criador

lei de DeusVocê já imaginou se a lei da gravidade deixasse de “funcionar”? Sairíamos flutuando dentro de casa. A água do nosso planeta vazaria para o espaço. A Terra escaparia da órbita do Sol. Resumindo: morreríamos. As leis físicas foram criadas para o bem do Universo e para a nossa segurança. Podemos desafiá-las? Sim. Basta, por exemplo, subir no telhado e se jogar de lá. Somos livres para desafiar as leis do Criador, mas não somos livres para escapar das consequências disso. Pense nas leis divinas como uma cerca de proteção. Viver dentro dos limites delas é viver em segurança. O mesmo se pode dizer das leis morais. Elas também servem para nos proteger e são tão eternas quanto o próprio Deus. Além disso, as leis morais são o padrão de julgamento no juízo, como vimos no estudo anterior. Quando ocorre um julgamento, entende-se que uma lei foi transgredida. Onde não há lei, não há transgressão. Por outro lado, quando a lei é devidamente cumprida, não há condenação. Neste estudo veremos que a lei moral de Deus – como qualquer outra de Suas leis universais – ainda está em vigor. Também compreenderemos a importância da lei moral e descobriremos como cumpri-la.  

1. Segundo o plano de Deus, qual é o segredo de uma vida longa? Provérbios 3:1, 2

Na verdade, não há segredo. Para ter uma vida longa, feliz e saudável, basta viver de acordo com as normas do nosso Fabricante (vamos estudar mais a fundo esse assunto em outro momento). Lembre-se: a lei de Deus é uma cerca de proteção. Nunca se deve retirar uma cerca do lugar, a menos que se saiba por que ela foi colocada lá. E como sabemos que no caso da lei moral foi Deus quem a estabeleceu, seria um absurdo querer retirá-la.  

2. Como devemos proceder? Tiago 2:12 (leia também os versos 10 e 11 para saber que lei é essa)

Relembrando: Tiago chama os dez mandamentos de lei da liberdade porque quem os obedece e vive uma vida de relacionamento com Jesus é verdadeiramente livre (João 8:32). A lei não condena os que são fieis; condena os transgressores. Estes são escravos do pecado. 

3. Agora vamos ler os dez mandamentos como estão na Bíblia. Tome tempo para refletir sobre cada um deles. Êxodo 20:3-17

Os dez mandamentos foram dados por Deus a Moisés no alto do monte Sinai. Mais de mil anos depois, novamente sobre um monte, Jesus, Deus encarnado, amplia o sentido da lei, destacando os princípios relacionados com cada mandamento. Tome algum tempo para ler também Mateus 5:21-37. 

4. Quem escreveu os mandamentos nas tábuas de pedra entregues a Moisés? Êxodo 31:18

O apóstolo Paulo diz que toda a Escritura (Bíblia) é divinamente inspirada, ou seja, o Espírito Santo colocou as ideias na mente dos autores que as escreveram com suas palavras. Com os dez mandamentos foi diferente: o próprio Deus escreveu com Seu dedo nas tábuas de pedra. Quer maior evidência de santidade e importância do que isso? Como alguém se atreveria a mudar algo que o próprio Criador escreveu? 

5. Como o apóstolo Paulo considerava a lei de Deus? Romanos 7:12

Paulo só poderia considerar a lei de Deus santa, justa e boa, afinal, ela foi criada por um Deus santo, justo e bom. 

6. Jesus transgrediu, mudou ou anulou a lei de Deus? Mateus 5:17-19

Em primeiro lugar, se Jesus tivesse transgredido a lei de Deus, teria Se tornado um pecador, afinal, a definição bíblica de pecado é transgressão da lei (1 João 3:4). Nesse caso, Ele também precisaria de um salvador. Também é estranho imaginar que Jesus mudaria a lei que o próprio Deus deu à humanidade. E Mateus 5:17-19 confirma o fato de que Jesus não anulou a lei. Na verdade, é um absurdo pensar que Ele tivesse feito isso com a lei que é santa, justa e boa. Leia também João 15:10.

7. Quem tem fé não precisa obedecer à lei de Deus? Romanos 3:31

Quem tem fé acredita em tudo o que Deus diz e no que está na Bíblia Sagrada. Quem tem fé confia nas ordens divinas e sabe que os mandamentos criados por Deus são para o nosso bem. Quem tem fé crê que Deus o habilitará a cumprir Seus mandamentos. 

8. A lei de Deus pode nos salvar? Romanos 3:20

Somos salvos pela fé nos méritos de Cristo. Somos salvos unicamente pela graça divina. A salvação é um presente, não um merecimento. Pensar que a obediência aos mandamentos de Deus possa comprar nossa salvação é distorcer totalmente o evangelho.

9. Então para que serve a lei de Deus? Tiago 1:23-25

Tiago compara a lei de Deus a um espelho. Somente por meio da lei podemos conhecer nossos defeitos de caráter e pecados. Mas não podemos nos limpar com o espelho. Essa não é a função dele. Precisamos de água ou de uma toalha. Jesus é a toalha. Portanto, a lei diagnostica o problema, mas é Cristo quem o resolve.

10. Como a Bíblia considera a pessoa que diz conhecer Jesus Cristo, mas recusa guardar Seus mandamentos? 1 João 2:3, 4

A expressão é forte, mas não poderia ser outra: mentiroso. Como alguém pode afirmar que conhece Jesus, enquanto ignora conscientemente os mandamentos que Ele deixou registrados em Sua Palavra? Para conhecer Jesus precisamos estudar o que a Bíblia diz sobre Ele e sobre Seus ensinamentos. E a Bíblia deixa muito claro que Jesus guardou os mandamentos de Deus e quer que façamos a mesma coisa. Quem realmente conhece Jesus sabe disso.

11. Qual o principal motivo para obedecermos à lei de Deus? João 14:15

Assim como o motivo que deve levar o marido a ser fiel à esposa é o amor, nossa motivação para ser fiéis a Deus deve ser igualmente o amor. Quem ama é fiel. Quem ama obedece, ainda mais quando sabe que tudo o que seu amado lhe pede é para o seu bem.  

MINHA DECISÃO:

Aceito os dez mandamentos como padrão de conduta para a minha vida. Creio que todos os mandamentos são igualmente importantes (Tiago 2:10) e peço poder a Deus para ser inteiramente fiel.

O DEZ MANDAMENTOS conforme a Bíblia (Êxodo 20:3-17, resumidos)

1. Não terás outros deuses além de Mim.
2. Não farás imagem de escultura para as adorar.
3. Não tomarás o nome do Senhor em vão.
4. Lembra-te do dia do sábado para o santificar, pois o sétimo dia é o sábado do Senhor teu Deus.
5. Honra a teu pai e a tua mãe.
6. Não matarás.
7. Não adulterarás.
8. Não furtarás.
9. Não dirás falso testemunho contra o teu próximo.
10. Não cobiçarás a casa, a mulher nem qualquer outra coisa do teu próximo.

TEMA 8 – Uma profecia surpreendente

jesus cruz4Em Apocalipse 14:6 e 7, lemos: “E vi outro anjo voando pelo meio do céu, e tinha um evangelho eterno para proclamar aos que habitam sobre a terra e a toda nação, e tribo, e língua, e povo, dizendo com grande voz: Temei a Deus e dai-Lhe glória; porque é chegada a hora do Seu juízo; e adorai aquele que fez o céu, e a terra, e o mar, e as fontes das águas.” Esses versos falam de uma proclamação final para convidar os seres humanos à adoração do verdadeiro Deus, aquele que criou o Universo e a vida. Essa mensagem apocalíptica chama atenção, também, para a chegada da hora do juízo desse Deus, que é o tema que vamos focalizar neste momento. Em nosso último estudo, vimos que o juízo de Deus se compõe de três etapas (juízo investigativo, juízo de comprovação e juízo executivo). Agora veremos quando teve início esse juízo e analisaremos a mais longa profecia de tempo na Bíblia – e uma das mais surpreendentes também. Lembre-se que uma vez por ano era preciso purificar o santuário terrestre dos pecados que simbolicamente ficavam acumulados nele. Esse dia de expiação era um dia de juízo e de perdão. Lembrar disso é importante para compreender o que estudaremos a seguir.

1. Vimos no estudo anterior que o santuário terrestre foi construído tendo como modelo o celestial, e que todas as cerimônias realizadas em um um apontavam para o outro. No tempo do antigo Israel havia um dia para a purificação do santuário terrestre (uma vez por ano). Ao fim de quanto tempo o santuário celestial seria purificado? Daniel 8:14

Em visão, o profeta Daniel contempla um anjo conversando com outro. Um dos seres celestiais pergunta o seguinte: “Até quando a verdade do santuário permanecerá pisoteada e quando o santuário será purificado e restaurado?” O outro ser responde: “Até 2.300 tardes e manhãs e o santuário será purificado/restaurado.”

2. O que a Bíblia quer dizer com “tarde e manhã”? Gênesis 1:5, 8, 13, 19

Tarde e manhã é a forma bíblica original de se referir à passagem dos dias. Quando Deus criou o mundo, a mudança de um dia para o seguinte começava ao pôr do sol (tarde), sendo seguida pela manhã, ou seja, a parte escura do dia vinha antes da parte clara. Por isso mesmo o povo de Deus na Bíblia sempre guardou o sábado do pôr do sol da sexta feira até o pôr do sol de sábado. Portanto, “tarde e manhã” é o mesmo que “dia”. Assim, em Daniel 8:14 temos 2.300 dias. Mas tem mais! Não se esqueça de que estamos lidando com um profecia e que, portanto, a linguagem assume por vezes caráter simbólico ou representativo. 

3. Quanto vale um dia profético? Ezequiel 4:6, 7; Números 14:34

Como eu disse, a linguagem profética possui muitos símbolos. Em Apocalipse, por exemplo, a palavra “águas” significa “povos”, “multidões” e “nações” (ver Apocalipse 17:1, 15). De maneira semelhante, profeticamente falando, um dia representa um ano literal. Assim, em Daniel 8:14 temos 2.300 anos. Você perceberá que a profecia não faz sentido se os 2.300 dias fossem dias literais de 24 horas. Prossigamos. 

4. Já que sabemos que a visão termina com a purificação do santuário e sabemos também que a duração dela é de 2.300 anos, tudo o que precisamos saber agora para descobrir a data do juízo ou da purificação do santuário é o momento em que a visão começa. Então, quando começaram os 2.300 anos? Daniel 9:25 

De acordo com Esdras 7:7 e 8, o decreto ao qual o livro de Daniel faz referência entrou em vigor logo após o retorno de Esdras no sétimo ano do rei Artaxerxes, e a História registra que esse ano foi 457 a.C. (Para mais informações, clique aqui e leia uma ótima entrevista com a teóloga Rosângela Lira, estudiosa das cronologias bíblicas.)

5. Agora que conhecemos o ano em que a profecia de Daniel 8:14 teve início, ou seja, 457 a.C., basta contarmos 2.300 anos para frente e chegaremos ao ano em que a visão teve cumprimento – a data do juízo e da purificação do santuário. Quando foi?

Contando 2.300 anos a partir de 457 a.C. (levando em conta que não existe o ano zero entre 1 a.C. e 1 d.C.), chegamos ao ano de 1844. Bem, o santuário terrestre foi destruído no ano 70 d.C. pelos romanos. Logo, o santuário a que a profecia de Daniel se refere só pode ser o do Céu. Portanto, em 1844 teve início o juízo no santuário celestial; e na Terra, a restauração da verdade.

6. O selo de garantia da profecia. Daniel 9:24-27

Alguém poderia questionar: Será que o ano 457 a.C. e o ano de 1844 realmente estão corretos? Existe alguma forma de confirmar esse cálculo? Surpreendentemente, no capítulo 9 de Daniel encontramos um selo de autenticação da profecia. Se possível, releia Daniel 9:24-27 com bastante atenção. Depois confira os detalhes a seguir, consultando o gráfico abaixo. 

a) Note que dos 2.300 anos, 490 anos (ou 70 semanas proféticas) foram recortados da visão e se aplicam exclusivamente ao povo de Daniel, ou seja, o povo judeu. Após 483 anos (7 + 62 = 69 semanas = 69 x 7 = 483 dias/anos), o Messias seria ungido. De fato, 483 anos depois do ano 457 a.C. nos levam ao ano 27 d.C., exatamente quando Jesus foi batizado e ungido pelo Espírito Santo para começar Seu ministério público (Mateus 3:16; Atos 10:38). Entre outras coisas, essa profecia surpreendente confirma a messianidade de Jesus! 

b) Na metade da última semana das 70, o Messias seria morto. Exatamente três anos e meio após Seu batismo, Jesus foi crucificado e morto (Daniel 9:24). A morte de Jesus no ano 31 constitui o selo da visão; a garantia de que o cumprimento dela no ano 1844 é certo.

c) Depois da morte de Cristo, ainda restava metade da semana antes que as 70 semanas ou 490 anos tivessem fim. É por isso que antes de subir ao Céu após Sua ressurreição Jesus disse que os discípulos deveriam antes pregar às “ovelhas perdidas da casa de Israel” (Mateus 10:6). Por quê? Porque o período de oportunidade dos judeus ainda não havia terminado. Faltavam três anos e meio para o fim das 70 semanas (ou 490 anos). No fim dos 490 anos, Estevão foi apedrejado e pouco depois Paulo se converteu. O evangelho começou a ser pregado também aos gentios. A nação de Israel perdeu o status de povo escolhido.

MINHA DECISÃO:

Quando se aproximava o dia da expiação, os israelitas mantinham uma atitude de arrependimento diante de Deus. Eles sabiam que aquele era um dia de juízo e de perdão. Sabendo que o dia do juízo no santuário celestial (o juízo investigativo) teve início em 1844 e está se processando ainda hoje, decido, pelo poder de Cristo, colocar minha vida em conformidade com a Palavra de Deus e obedecer às verdades que estou aprendendo.

2300-tardes-e-manhs